Imagem

"A nova dinâmica dos mercados coloca os executivos diante do desafio de dar conta do recado sem deixar de lado a preocupação com a qualidade de sua performance. "
                                            Eduardo Matsushita  


Com a globalização dos mercados, o desafio do constante crescimento e o aumento da competitividade, a vida dos executivos nas grandes empresas tem sido bastante desafiadora nos últimos tempos. Qualquer empreendimento hoje pode, por exemplo, ser submetido à pressão de tornar-se uma multinacional. Assim, o cenário competitivo muda, as dificuldades aumentam, as exigências são cada vez maiores. 

Neste ambiente, os bons executivos estão cada vez mais escassos. O mercado de trabalho está cada vez mas restrito e a competitividade nas empresas é cada vez maior. Bônus por performance, stock options, planos estratégicos agressivos, programas para aumento de produtividade, criatividade e inovação são os mecanismos criados para atingir objetivos dos acionistas: o lucro e a sustentabilidade do negócio. 

Não menos importante, mas associada a esses fatores, está a diminuição da qualidade de vida dos executivos. Quanto mais se sobe na hierarquia empresarial, menor tempo de convívio social, familiar e de entretenimento. E muitas vezes, a remuneração nem é tão compensadora assim. 

Além de todas essas pressões, o empresário tem como um de seus principais objetivos o de criar um time vencedor, que o perceba com um líder. Ele deve ser alguém em quem a equipe se espelhe, com que ela possa aprender e se motivar. A equipe, por sua vez, deve funcionar como um relógio, que esteja sempre preparada para todos os desafios. 

Entretanto, muitas vezes esses empresários não estão preparados para exercer a liderança e, mesmo inconscientemente, se questionam: “Se não sei fazer isso direito, como vou ensinar? Eu mesmo não estou tão motivado, como vou motivar? Não tive formação para ser líder e nem tenho aptidão, como vou liderar? Como vou inspirar alguém ? Afinal, sou gerente ou diretor do que ? O que é gerenciar um time ? ” 

Muitos ainda, em sua insegurança, acabam por se revoltar contra a situação: “ Mas não tenho tempo para isso ! É muita cobrança, muitos incêndios a serem apagados....O dia a dia operacional me consome...Não consigo planejar meu futuro.”

Assim, a cobrança extrema por resultados individuais faz com que gerentes e diretores se tornem cada vez mais pessoais solitárias, individualistas e autoritárias. Isso os tornam verdadeiros ditadores, muitas vezes, temidos ou admirados à distância.        

Esses têm pouco ou nenhum tempo para cuidar do essencial – do desenvolvimento e da motivação dos seus soldados. Em outras palavras, dos líderes só vem diretrizes e as ordens operacionais. No entanto, faltam algumas respostas essenciais. É aí que o líder erra, pois dele é esperado orientações, conselhos, coaching; e não apenas “diretrizes” e “ planos de ação”. E o complicado é que o líder dá mil desculpas, mas não tem tempo para “gastar ” com seus liderados. 

Isso não é claramente um paradoxo na vida do empresario? Por que grande parte dos líderes de grandes empresas não tem tempo para orientar, inspirar, ensinar ou motivar seus liderados? Não seriam estas, as principais ferramentas para alcançarem seus objetivos? 

A primeira dica é : se você não sabe dar coaching a seus liderados, aprenda em primeiro lugar, a pedir coaching  para alguém que você respeite e confie ! Entenda que liderança requer maturidade, experiência e humildade. Grandes líderes estudam muito e recorrem a coachs ( profissionais ou não), conselheiros, amigos, pais, chefes, ex-chefes, especialistas, etc. Pode parecer que não, mas eles pedem ajuda sim! Pois liderar é antes de tudo um grande exercício de humildade.   
 


Comments




Leave a Reply