Imagem
As empresas procuram sempre ter uma visão bem definida, mas é comum existir funcionários satisfeitos e insatisfeitos dentro de uma organização.

As organizações têm investido muito em melhorar sua gestão, implantando metodologias gerenciais como planejamento estratégico, gestão de processos, gestão de projetos, etc. Os resultados têm sido incríveis. Nesses projetos os colaboradores das empresas se envolvem e são recompensados por seu esforço.

Até aqui não há nada de mal, mas temos alguns indivíduos muito motivados e felizes e outros ansiosos e infelizes. Por que esta discrepância? Ou melhor: o que torna um indivíduo motivado e feliz?

Todas as empresas se preocupam em ter uma visão bem definida, elaboram seu plano estratégico para alcançar este futuro, planejam quais competências necessitam adquirir a fim de cumprirem seus planos e, por fim, colhem resultados, geram performance. O ponto é que cada indivíduo também tem um processo análogo, pois cada um de nós tem seu propósito de vida e, para alcançar este propósito, traçamos nossos ciclos estratégicos, definimos quais competências necessitamos aprender ou aprimorar e implementamos nossos planos, gerando performance e satisfação. Como esta estrutura no indivíduo não é tão óbvia, vamos explorar um pouco cada um destes pontos:

- Propósito: este é o ponto inicial e final, a resposta de porque estamos vivos, o que pretendemos realizar. Muitos de nós passamos a vida procurando o sentido de nossa existência e arrisco dizer que quase todos terminam sem a resposta exata. Mas muito mais importante do que encontrá-lo é saber se estamos na direção correta, é a beleza da caminhada. O problema acontece quando o indivíduo nunca parou para refletir sobre o seu propósito, nunca investiu tempo em seu autoconhecimento, em ser íntimo de si mesmo. Quando isto não ocorre vive-se uma vida "sem sentido", sem saber o que alcançar.

- Ciclos: quando sabemos a direção que queremos seguir temos a oportunidade de escolher o caminho. E eles mudam, sempre. Por isso temos os ciclos, que são como os projetos de vida que estamos implantando agora. Podemos estar em uma mesma empresa, ou até no mesmo cargo por vários anos, mas se pararmos para observar não estamos fazendo a mesma coisa, já tivemos vários combinados ou vários projetos, que podemos chamar de ciclos, que iniciaram e terminaram, provocando o inicio de um novo ciclo. O segredo é entender se o ciclo que estamos iniciando, no meio, ou até finalizando está coerente com o nosso propósito. Se não estiver, sinal de alerta!

- Competências: os treinamentos que fazemos ou o nosso plano de desenvolvimento não são aleatórios, devem ser relacionados com o nosso propósito e com o nosso ciclo. Para fazer bem este meu ciclo, quais as competências eu deveria agregar ao meu currículo, ou ainda, para um futuro ciclo, qual a competência eu devo agregar já, para as chances de sucesso neste ou no próximo ciclo serem maiores. Aqui o ponto importante é saber se aquilo que estamos treinando e nos capacitando está contribuindo para o nosso ciclo e propósito.

O que está mencionado acima é vital para cada um de nós, mas não menos importante para as empresas. Quando olhamos de maneira integrada conseguimos identificar que os melhores resultados acontecem quando a visão da empresa e o propósito do indivíduo estão alinhados e esta é a verdadeira chave para termos bons resultados e pessoas motivadas e felizes!

Vale a reflexão sobre como estamos gerindo nossas empresas e nossas equipes, mas, mais do que isso, deixo uma provocação a cada leitor: você tem claro o seu caminho e o seu propósito? 
 


Comments




Leave a Reply